Bem Vindo à Paróquia de Stª Maria de Válega
PDF Versão para impressão

A partir de hoje todos os textos e artigos serão escritos ao abrigo do novo acordo ortográfico.

 
PDF Versão para impressão
O CARTÓRIO PAROQUIAL CONTINUARÁ ENCERRADO, À EXCEÇÃO DOS
DIAS DE ATENDIMENTO DO PÁROCO, TERÇA-FEIRA E QUINTA-FEIRA DAS 17H00 ÀS 19H30.

 
3ª Semana do Advento PDF Versão para impressão

O PROFETA DO ADVENTO

João Baptista, juntamente com Isaías, José e Maria, é uma das quatro figuras do Advento, em que encarna a espera do advento. João foi o último dos numerosos casos bíblicos de «filho presente de Deus», de matrimónios estéris ou de idade avançada, como Zacarias e Isabel, pais de Baptista. Tudo isto anunciava um homem com uma missão especial.

João Evangelista não se detém a descrever a figura impressionante e a personalidade vigorosa de João Baptista, definindo em síntese em “ testemunha da luz, que é Cristo”.

É o último dos profetas e segundo o próprio Jesus, "mais que um profeta", "o maior entre os que nasceram de mulher", o mensageiro que veio diante d'Ele a fim de lhe preparar o caminho, anunciando a sua vinda (Lc 7, 26 - 28), pregando aos povos a conversão, pelo conhecimento da salvação e perdão dos pecados (Lc 1, 76s).

A figura de João Batista ao ser o precursor do Senhor e aponta como presença já estabelecida no meio do povo, encarna todo o espírito do Advento. Por isso ele ocupa um grande espaço na liturgia desse tempo, em especial no segundo e no terceiro domingo.

João Batista é o modelo dos que são consagrados a Deus e que, no mundo de hoje, são chamados a também ser profetas e profetisas do reino, vozes no deserto e caminho que sinaliza para o Senhor, permitindo, na própria vida, o crescimento de Jesus e a diminuição de si mesmo, levando, por sua vez os homens a despertar do torpor do pecado.

“Quem és tu?” – perguntaram a João. E João vai dizendo: “Eu não sou nem isto nem aquilo”. E a pergunta regressa dirigida a nós mesmos: “QUEM ÉS TU?”

 
2ª Semana do Advento PDF Versão para impressão

A ESPIRITUALIDADE DO ADVENTO


 

A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão. Deus é fiel a suas promessas: o Salvador virá; daí a alegre expectativa, que deve nesse tempo, não só ser lembrada, mas vivida, pois aquilo que se espera acontecerá com certeza. Portanto, não se está diante de algo irreal, fictício, passado, mas diante de uma realidade concreta e atual. A esperança da Igreja é a esperança de Israel já realizada em Cristo mas que só se consumará definitivamente na parusia (volta) do Senhor. Por isso, o brado da Igreja característico nesse tempo é "Marana tha"! Vem Senhor Jesus!

O tempo do Advento é tempo de esperança porque Cristo é a nossa esperança (I Tm 1, 1); esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas, na vida eterna, esperança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante das perseguições, etc.

O Advento também é tempo propício à conversão. Sem um retorno de todo o ser a Cristo, não há como viver a alegria e a esperança na expectativa da Sua vinda. É necessário que "preparemos o caminho do Senhor" nas nossas próprias vidas, lutando incessantemente contra o pecado, através de uma maior disposição para a oração e mergulho na Palavra.

No Advento, precisamos nos questionar e aprofundar a vivência da pobreza. Não pobreza económica, mas principalmente aquela que leva a confiar, se abandonar e depender inteiramente de Deus e não dos bens terrenos. Pobreza que tem n'Ele a única riqueza, a única esperança e que conduz à verdadeira humildade, mansidão e posse do Reino. Daí o PREPARAI O CAMINHO DO SENHOR!

 
<< Início < Anterior 41 42 43 44 45 46 47 48 Seguinte > Final >>

Pág. 41 de 48

Quem está Online?

Temos 9 visitantes em linha